COLABORADORES

< VOLTAR

Rui Nunes

 

Rui Nunes (Porto, 1961) é um médico português, professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.[1]

 

Primeiro doutorado em todo o espaço lusófono na área da bioética,[2] é presidente e fundador da Associação Portuguesa de Bioética. Foi membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e, neste domínio, distinguiu-se pelas suas atividades académicas e de formação, nomeadamente o curso de doutoramento em bioética, parceria entre a Faculdade de Medicina e o Conselho Federal de Medicina brasileiro.[3] Neste âmbito, contribuiu para a formação de mais de uma centena de especialistas brasileiros nos diferentes domínios da bioética. De salientar a organização de numerosas iniciativas, de que se destacam o Congresso Nacional de Bioética e o Fórum Luso-Brasileiro de Bioética. Publicou mais de vinte livros e cerca de duas centenas de artigos, sendo de realçar as obras «Prioridades na Saúde» (ISBN:

9789727731404), «Testamento Vital» (ISBN: 9789724045382), «Regulação na Saúde» (ISBN: 9789727883059) e «GeneÉtica» (ISBN: 9789724051819). Na área cultural, é também autor e/ou coordenador das obras «Cultura & Sociedade»

(ISBN: 9789899743984), «Educação para a Arte» (ISBN: 9789729147937), «O Porto e a Escola» (ISBN: 9789729147869) e «O Porto e as Igrejas» (ISBN:

9789729147944).

 

Paralelamente, mantém uma intensa atividade social: foi o primeiro presidente da Entidade Reguladora da Saúde, membro do Conselho Médico-Legal do Ministério da Justiça e formador do Centro de Estudos Judiciários. Foi um dos fundadores do Centro de Inovação Social do Porto e coordena o programa «Porto Cidade de Ciência». Em 2012, fundou o Fórum Democracia e Sociedade, espaço de reflexão política sobre a sociedade contemporânea.

 

No plano da sua intervenção cívica, destaca-se ainda o empenho em causas culturais, tendo sido responsável pela elaboração do Plano Municipal de Cultura do Porto[4] e contribuindo regularmente para a revista «As Artes entre as Letras». Foi ainda administrador da Fundação Ciência e Desenvolvimento e do Teatro do Campo Alegre, no Porto. Foi também membro do júri do Concurso Nacional de Leitura. Ganhou notoriedade pela proposta de legalização do Testamento Vital [5]em Portugal e no Brasil.

 

Desde 04 de Março de 2015, é presidente do Conselho Consultivo da Entidade Reguladora da Saúde, cargo para que foi eleito por larga maioria, através de voto secreto dos seus 19 pares neste órgão. O Conselho Consultivo integra um representante do membro do Governo responsável pela área da saúde; sete representantes das várias categorias de estabelecimentos regulados pela Entidade Reguladora da Saúde; cinco representantes dos utentes; dois representantes das ordens do setor; um representante das associações de profissionais de saúde não representados pelos membros representantes das ordens profissionais; um representante da Direção-Geral do Consumidor; um representante do Instituto da Segurança Social; e duas personalidades independentes com saber e ou experiência no setor.

 

Em junho de 2016, foi nomeado Head of the Research Department of the International Network of the UNESCO Chair in Bioethics (Haifa).